Glossário

A

Aférese

Uma técnica que permite separar e recolher os diferentes componentes sanguíneos.

Agentes citostáticos

São as substâncias químicas usadas em quimioterapia no tratamento de tumores.

Agentes oportunistas

Agentes infecciosos que se desenvolvem com maior facilidade nos doentes imunossuprimidos. Ex: Citamegalovirus, Pneumocystis carinii, etc.

Agudo

Rápido início de sintomas ou doença.

Alogénico

Do grego: allos – outro, diferente. Um transplante de células progenitoras hematopoiéticas de outro ser humano.

Alopécia

Queda do cabelo. Pode resultar da quimioterapia ou do efeito da radioterapia sobre o couro cabeludo. No primeiro caso, a perda do cabelo é temporária, no segundo, pode ser definitiva. Do grego alopekía, manchas da cabeça quando cai o cabelo.

Analgésico

Medicamento usado para alivio da dor.

Androgénio

Hormona sexual masculina.

Anemia

Nível insuficiente de glóbulos vermelhos ou hemoglobina no sangue.

Anemia hemolítica auto-imune

Situação rara em que os glóbulos vermelhos são destruídos por anticorpos, produzidos pelo próprio organismo.

Anfotericina

Droga utilizada para prevenir ou tratar infecções por fungos ou leveduras.

Angiogénese

Formação de novos vasos sanguíneos que habitualmente acompanham o crescimento do tecido maligno.

Anorexia

Falta de apetite. Do grego a, negativo+óreksis, apetite.

Antiangiogénese

Forma de bloquear a vascularização do tecido tumoral, de modo a destruir as células malignas. Alguns medicamentos têm essa capacidade, como é o caso da Talidomida.

Antibiótico

Medicamento usado para combater infecções provocadas por bactérias.

Anticorpos

Parte integral do sistema imunitário – são substâncias produzidas pelo corpo como autodefesa contra a presença de substâncias estranhas, por exemplo, substâncias tóxicas e vírus. Em medicina os chamados anticorpos monoclonais podem ser produzidos em laboratório e usados para fins terapêuticos no tratamento de tumores.

Anticorpos Monoclonais

São produzidos por fusão de células produtoras de anticorpos e células tumorais de mieloma para um antigénio-alvo específico na superfície (epitopos) das células tumorais.

Antieméticos

Medicamentos usados para evitar ou reduzir náuseas e vómitos. Usados especialmente no tratamento de efeitos secundários da quimioterapia e radioterapia.

Antigénio

Estruturas específicas da superfície celular de bactérias, vírus e fungos, capazes de estimular a produção de anticorpos naturais.

Antimetabólito

Droga antineoplásica que interfere com a produção de DNA, evitando a divisão celular.

Antipirético

Medicamento utilizado para reduzir a febre.

Antivírico

Medicamento que previne ou trata a infecção viral.

Aplasia medular

Diminuição da produção de células pela medula. Pode ser sinónimo de uma doença medular - Anemia aplástica (uma falha da medula óssea na produção de componentes sanguíneos) ou ser um período transitório de baixa dos elementos da medula óssea com correspondente diminuição dos elementos do sangue periférico, provocado por algumas drogas, em especial pelos citostáticos. Do francês aplasie, este do grego áplastos, sem forma; informe.

Aspirado

Remoção por sucção ou aspiração. Permite exames citológicos. É o caso do aspirado ganglionar ou do aspirado da medula.

Aspirado medular

Processo médico através do qual é extraída uma pequena quantidade de medula óssea, através de uma agulha inserida no esterno ou num osso da bacia. O exame dessa amostra da medula constitui o mielograma.

Assintomático

Sem sintomas ou queixas.

Astenia

Falta de forças, debilidade, fraqueza. Do francês asthénie, este do grego asthéneia, falta de vigor.

Auto-imunidade

Situação em que o sistema imune não reconhece como suas as células do seu organismo e ataca as células ou tecidos do próprio.

Autólogo (Transplante)

Do próprio, isto é, do doente. Deriva do grego autos que significa o próprio. Aplica-se sobretudo para as transfusões, seja de sangue: transfusão autóloga ou autotransfusão ou de medula óssea ou de células progenitoras hematopoiéticas: transplante autólogo.

B

Benigno / Maligno

Os tumores benignos são localizados, não têm capacidade para metastizar ié, não são ameaçadores para a vida ou para a saúde. Os tumores malignos são cancerosos e tendem a expandir-se ou podem ser recorrentes.

Biopsia

Extracção de uma pequena porção de tecido para estudo e análise microscópica.

Blástica ou Blasto

Aplica-se às células muito imaturas. Do grego blástos, o que germina; rebento novo. Quando matura dá origem aos três tipos de células do sangue.

C

Candidíase

Infecção fúngica das mais frequentes, provocada por um fungo da família das Candidas.

Carcinogéneo

Substância que provoca alterações numa célula, levando ao aparecimento de um cancro.

Cariótipo

Conjunto de cromossomas de uma célula ou mapa cromossómico. De cario + tipo. Cario do grego káryon, elemento que traduz a ideia de noz; núcleo.

Cateter Venoso Central (CVC)

Tubo especial que é introduzido numa veia que se dirige ao coração e que permite a administração de soros, medicação, transfusões, etc., bem como a colheita de sangue, sem que seja necessário picar uma veia. Existem vários tipos de cateteres, mas fundamentalmente pode dizer-se que quando à sua saída podem ser exteriorizados ou subcutâneos. Estes últimos têm a grande vantagem de permitirem terapêuticas ambulatórias com bombas infusoras portáteis. Do grego katheter, à letra o que se deixa ir para baixo; que se introduz.

Celularidade

Diz respeito à quantidade e qualidade das células existentes na medula óssea.

Células atípicas

Células anormais.

Células B

São um tipo de linfócito que tem capacidade para produzir anticorpos.

Células estaminais

Células-mãe que dão origem aos diferentes componentes do sangue. Estas células encontram-se na medula óssea e também na circulação do sangue. Podem ser removidas do dador para serem transplantadas no doente com idêntico recipiente HLA.

Células sanguíneas

Células produzidas na medula óssea e em circulação no sangue constituídas por glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas.

Células T

Tipo de linfócito que é formado no timo e que tem capacidade para atacar vírus.

Ciclosporina

Medicamento imunossupressor utilizado para evitar rejeição de tecidos ou tornar as células do dador mais facilmente aceites pelo receptor.

Citogenética

É um ramo da Genética que se dedica ao estudo microscópico dos cromossomas.

Citopenia

Baixa de uma série hematológica no sangue periférico, isto é, no hemograma. pode estar diminuída a série vermelha (anemia), a série branca (leucopenia) ou o número de plaquetas (trombocitopenia).

Citostático

É um medicamento que evita ou bloqueia o crescimento das células  malignas, ou leva à sua morte.

Citotóxico

Que destrói as células.

Concentrado eritrocitário (CE)

Total de eritrócitos obtidos a partir de uma unidade de sangue, e que foi separado dos restantes elementos (plasma, plaquetas) para ser administrado em transfusão.

Congénito

Característica que está presente na altura do nascimento.

Consentimento informado

Processo em que se explica aos doentes que, para além das vantagens, existem riscos e complicações numa determinada atitude, antes de a mesma ser efectuada. Os consentimentos devem ser assinados pelo doente ou seu representante e pelo médico que o propõe.

Consolidação

Quimioterapia intensiva que se administra após a indução (aplica-se para as leucemias agudas).

Corticóides ou esteróides

Medicamento utilizado normalmente durante um transplante para prevenção ou tratamento da reacção enxerto-contra-hospedeiro. São hormonas artificiais equivalentes às hormonas produzidas naturalmente pelo corpo.

Criopreservação

Processo que permite a conservação pelo frio, a baixas temperaturas. É usado por exemplo na criopreservação das células progenitoras hematopoiéticas para transplante mais tardio.

Crista ilíaca

Local da bacia onde existe uma grande quantidade de medula óssea e que pode ser utilizado para colheita de medula óssea ou biopsia óssea, por meio de uma agulha.

Cromossomas

Cada uma das 46 estruturas do núcleo - transportadores visíveis de informação genética/hereditária. São parte constituinte do núcleo que podem facilmente ser marcados de forma a serem analisados.

Crónica

De progressão e desenvolvimento lento.

CsA

Ciclosporina A

Cuidados paliativos

Conjunto de medidas aplicadas a doentes em fase avançada da doença, que têm como objectivo principal minorar o sofrimento (Por ex: terapêutica da dor).

Cura

Aplica-se a algumas doenças que não se manifestaram durante pelo menos cinco anos.

D

Dador não relacionado

Um dador que não tem relação familiar com o doente.

Delecção de gene

Perda total ou ausência de um gene.

Deontologia

Conjunto de deveres e normas de comportamento próprios do exercício de uma determinada profissão, baseados nos usos e nas tradições dessa actividade.

Diagnóstico

Conjunto de exames que levam à conclusão sobre a doença.

Diátese hemorrágica

Conjunto de manifestações hemorrágicas da pele ou das mucosas.

Diferenciação

Forma de se tornar diferente, de adquirir uma característica ou função diferente da original.

Dioxina

Compostos químicos tóxicos (o mais conhecido é o chamado Seveso) que resultam de certos processos técnicos; são extremamente insolúveis na água, volatilizam muito devagar e penetram profundamente no ambiente em partículas do solo e pó. Podem causar cancro.

Doença sistémica

Doença que afecta todo o organismo, ao contrário de estar confinada apenas a um órgão.

E

Ecografia

Exame em que se utiliza uma sonda de ondas de alta frequência (para além das percebidas pelo ouvido humano). Utilizando um dispositivo que detecta ecos produz-
se uma imagem que ajuda ao diagnóstico. É indolor. Do grego échos, barulho; som, pelo latim echo, eco, som repercutido.

Efeito colateral ou secundário

Efeito geralmente adverso de uma droga ou tratamento. Outra acção do medicamento para além do efeito terapêutico. Por exemplo, a náusea pode ser um efeito colateral de alguns citostáticos.

Electrocardiograma (ECG)

Teste que determina a actividade cardíaca de uma pessoa.

Electroforese

Processo formalmente idêntico á sedimentação, mas feito através de um campo eléctrico. A electroforese aplica-se no campo da bioquímica na separação de compostos que possuem carga (aminoácidos, péptidos, proteínas, ácidos nucléicos) tendo em conta que a carga destas substâncias depende do pH do meio em que se encontram. O fraccionamento de uma proteína por um campo eléctrico permite obter a sua composição detalhada e é utilizada no diagnóstico e no planeamento da terapia.

Endovenoso ou Intravenoso

Modo de administrar terapêutica directamente no sangue através de uma veia ou cateter.

Ensaios clínicos (Clinical trials)

Testes experimentais para avaliar a eficácia e possíveis efeitos secundários de um medicamento. Os estudos são efectuados utilizando um método científico em que se compara a terapêutica standard ou um placebo com a terapêutica em estudo.

Enxerto de medula

Diz-se quando a medula óssea que foi administrada ao doente foi aceite pelo organismo e começou a produzir as células do sangue.

Enzimas

São moléculas de proteínas do corpo humano com capacidade de facilitar e acelerar as reacções químicas que ocorrem nos tecidos vivos. Cada uma das transformações por que passam os alimentos, no nosso sistema digestivo, está associada a um tipo específico de enzima. Estas enzimas são as chamadas enzimas digestivas.

Epistáxis

Hemorragia nasal. Do francês épistaxis, este do grego épistaxis, sangria pelo nariz.

Eritropoietina

Hormona produzida principalmente pelo rim em resposta à diminuição da hemoglobina. Actua sobre a medula óssea levando ao aumento de produção da série eritrocitária. Foi o primeiro factor de crescimento a ser descrito. Nos doentes sobquimioterapia é por vezes necessário administrar-se eritropoietina sintética, em injecções subcutâneas, na tentativa de diminuir as transfusões de concentrado eritrocitário.

Eritrócitos

Glóbulos vermelhos do sangue, que transportam o oxigénio para as células e tecidos.

Esofagite

Inflamação do esófago.

Estomatite

Alteração temporária da boca que se traduz por inflamação, dor ou secura e que pode estar relacionada com o uso de quimioterapia.

Estrogénios

Hormona feminina produzida principalmente nos ovários.

Extravasão

Passagem de líquidos ou medicamentos endovenosos da veia para os tecidos envolventes. No caso de alguns citostáticos pode provocar lesão dos tecidos.

F

Factor de risco

Tudo o que aumenta a probabilidade de desenvolver ou agravar uma situação.

Factores de crescimento

Os factores de crescimento hematopoiético são uma família de hormonas glicoproteicas que actuam de maneira hierárquica possuindo funções reguladoras nos processos de proliferação, diferenciação e activação funcional das células progenitoras hematopoiéticas e células sanguíneas maduras. Ou seja, são substâncias produzidas por algumas células e que regulam a proliferação de células hematopoiéticas. A eritropoietina foi o primeiro a ser descoberto.

Factores de Crescimento Granulocitários (G-CSF e GM-CSF)

Substâncias injectáveis semelhantes às produzidas pelo organismo humano, obtidas por tecnologia recombinante, e que estimulam a medula óssea a produzir mais células da série granulocitária (glóbulos brancos).

Fenótipo

Características físicas, bioquímicas e/ou fisiológicas de um indivíduo ou célula, que resultam da interacção do meio ambiente com um ou mais genes.

Flebite

Inflamação dolorosa de uma veia.

Fraccionamento

Divisão da administração de radioterapia durante várias sessões em vários dias.

G

G-CSF

Factor de crescimento leucocitário. Actua sobre a série granulocitária levando ao aumento dos glóbulos brancos. Tem indicação em doentes neutropénicos, quando é importante não adiar a quimioterapia e em determinado tipo de infecções.

Gene

Unidade básica da hereditariedade existente em todas as células do organismo.

Genético

Situação que depende da expressão de um gene ou genes para se  manifestar. Pode ou não ser hereditária.

GM-CSF

Factor de crescimento leucocitário que actua numa fase mais precoce da série granulocítica, levando ao aumento da produção dos neutrófilos e macrófagos. A sua acção é mais lenta que a do G-CSF no que respeita ao tempo de acção.

Granulócitos

Sub-grupo dos glóbulos dos glóbulos brancos muito importantes no combate das infecções.

H

Haplotipo

Metade dos cromossomas de cada indivíduo. Cada pessoa herda um haplotipo paterno e um haplotipo materno.

Hematogénese

Com origem no sangue ou que se dissemina através da corrente sanguínea.

Hematologista

Médico que estuda e trata as doenças do sangue e medula óssea.

Hematoma

Colecção de sangue que se forma num local de ferida cirúrgica, de biopsia ou após traumatismo. São mais frequentes nos doentes com trombocitopenia.

Hematopoiése

Processo de produção e diferenciação das células sanguíneas.

Hemocromatose

Excesso de ferro em depósito no organismo. Designa-se também por sobrecarga de ferro.

Hemoglobina

Pigmento vermelho dos glóbulos responsável, entre outras coisas, pelo transporte e ligação do oxigénio.

Hemograma

Análise de uma amostra de sangue que permite a contagem do número de glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas, bem como as suas características morfológicas.

Hereditário

Diz respeito ao traço ou carácter que é transmitido dos progenitores à descendência.

Histocompatível

Tecido com alta probabilidade de ser aceite (não rejeitado) se transplantado, devido às suas semelhanças no recipiente HLA.

HLA

Human Leucocyte Antigens, ou seja, antigénios leucocitários humanos – Cada um de nós tem uma individualidade biológica característica e muito particular expressa no nosso património genético. Os antigénios HLA, expressos na superfície das células usados para caracterizar os tecidos do dador, são importantes para que a nossa resposta imunitária seja eficaz contra as infecções por bactérias e vírus e ainda na defesa das doenças neoplásicas. A tipagem de HLA é essencial para a determinação da compatibilidade – quanto maior semelhança destes antigénios entre dador e receptor, maior probabilidade de sucesso no caso de transplante.

Hormonas

Substâncias mensageiras que se encontram no corpo e que influenciam o metabolismo mesmo em pequenas quantidades. Regulam processos como o crescimento, comportamento sexual, metabolismo dos alimentos e agem através do sangue ou do sistema linfático.

I

Idiopático

Situação de que não se conhece a causa.

Imunidade Celular

Resposta do corpo aos corpos estranhos, transportados por células, especialmente os leucócitos.

Imunidade Humoral

Resposta do corpo aos corpos estranhos, através dos anticorpos.

Imunocomprometido

O mesmo que imunossuprimido ou imunodeficiente. Diz-se do doente em que o sistema imune não funciona normalmente. Nesta situação o risco de infecções e de doenças secundárias está aumentado.

Imunoglobulina

Um sinónimo de anticorpos. As imunoglobulinas policlonais, isto é, misturas de imunoglobulinas de um dador são administradas para tratar sistemas imunitários fracos.

Imunossupressão

A redução da capacidade de produzir uma resposta imunológica a um dado estímulo.

Imunoterapia

A imunoterapia, ou bioterapia, pode definir-se como o tratamento através de agentes que derivam em maioria de fontes.
A imunoterapia activa consiste na aplicação de agentes hospedeiros com origem no tumor que são concebidos para criar uma resposta imunitária capaz de retardar ou eliminar o crescimento tumoral.
A imunoterapia passiva pode ser definida como a administração ou transferência de reagentes imunológicos previamente sensibilizados (que contêm anticorpos sensíveis) ou células imunitárias de reacção ao hospedeiro com origem no tumor, provocando directa ou indirectamente, respostas antitumorais.

Incidência

Número de casos novos durante um determinado intervalo de tempo (Ex: número de casos / 100.000 pessoas / ano).

Indução

Fase inicial da quimioterapia usada nas leucemias agudas, com vista a obter a remissão completa.

Inflamação

Reacção do organismo que se demonstra por um inchaço (edema),  vermelhidão (eritema) e por vezes outros sinais inflamatórios que podem ser calor ou dor.

Infusão

Introdução de líquido (por exemplo, uma solução salina) no organismo, por via intravenosa.

Injecção endovenosa

Administração de um medicamento na veia.

Injecção intramuscular

Administração de um medicamento num músculo. Mais frequentemente usam-se os músculos das nádegas.

Injecção subcutânea

Administração de um medicamento no tecido gordo debaixo da pele. Pode administrar-se na barriga, braços ou coxas. Deste modo são administrados medicamentos como a insulina, os factores de crescimento e os interferões.

Interferon

Os interferões (IF) são glicoproteínas produzidas pelos linfócitos (IF alfa); fibroblastos (IF beta) e células T, NK, monócitos e macrófagos (IF gama).
Possuem a particularidade de se ligarem a receptores específicos da membrana celular estimulando a célula através da indução da síntese proteica conduzindo a inibição da replicação viral; supressão da proliferação celular; imunomodulação; aumento da fagocitose, da citotoxicidade linfocitária e da capacidade antigénica leucocitária.
Pode ser efeciente na LMC, se administrada em altas doses . Tem de ser injectada todos os dias e os efeitos secundários são fadiga, febre e falta de apetite.

Interleucinas

As interleucinas são uma família de polipeptídeos produzidas por linfócitos e monócitos. Têm a capacidade de modular o sistema imunitário através da alteração de comunicação entre células tumorais e células imunes.
Outra das suas acções consiste na regulação do sistema imunitário por estimulação, restabelecimento ou restrição da actividade imunitária. Promovem ainda a estimulação da hematopoiese.

Intravenoso

O mesmo que endovenoso. Administração de um medicamento ou uma substância liquida directamente no sangue.

L

Leucemia

Doença maligna da medula óssea em que há um excesso de glóbulos  brancos ou em que estes não funcionam normalmente. Podem ser agudas ou crónicas.

Leucemia Mielóide Aguda (LMA)

Leucemia dos precursores granulocíticos, isto é da série mielóide. Existem vários subtipos. É mais frequente na idade adulta.

Leucocitose

Aumento do número dos leucócitos.

Leucopenia

Insuficiência de glóbulos brancos ou leucócitos.

Leucócitos

Glóbulos brancos do sangue que têm um papel fulcral no combate contra as infecções. Estas células estão sub-divididas em: granulócitos, linfócitos e monócitos. Os leucócitos encontram-se predominantemente na medula óssea e noutros órgãos e tecido, sendo que o sangue de pessoas saudáveis o sangue apresenta apenas uma pequena quantidade de leucócitos. O aumento de leucócitos no sangue é indicativo de doença.

Linfócitos

Sub-grupo dos glóbulos brancos do sangue que combatem as doenças e substâncias estranhas. Os linfócitos têm uma forma regular esférica, não possuem grânulos, e incluem dois tipos principais: as células B (que se desenvolvem na medula óssea) e as células T (que se desenvolvem no timo, um órgão situado por cima do coração).
Os linfócitos encontram-se nos órgãos linfáticos (timo e baço) aonde se multiplicam e apenas uma pequena parte dos linfócitos se encontram no sangue.
Os linfócitos têm uma forma regular esférica, não possuem grânulos, e incluem dois tipos principais: as células B (que se desenvolvem na medula óssea) e as células T (que se desenvolvem no timo, um órgão situado por cima do coração).
Os linfócitos B produzem e secretam anticorpos contra os agentes infecciosos, ao passo que os linfócitos T.

Linfócitos B

Sub-grupo dos linfócitos que amadurece na medula óssea; produzem e secretam anticorpos contra os agentes infecciosos - responsáveis pela imunidade humoral.

Linfócitos T

Sub-grupo dos linfócitos que se desenvolvem no timo e medeiam eles próprios a destruição de células infectadas com os microorganismos - são responsáveis pela imunidade celular
Os linfócitos T possuem, além do tipo de células referido (citotóxicas, capazes de destruir outras células), um outro tipo, o das células "de ajuda" (helper), que produzem substâncias – chamadas citocinas – activadoras de linfócitos B ou de macrófagos.

M

Maligno

Que tem tendência a agravar-se ou a disseminar se não for tratado.

Manutenção

Quimioterapia de baixa intensidade administrada por um período  prolongado e que tem por fim evitar a recaída.

Medula óssea

Tecido esponjoso existente dentro dos ossos. É o local de produção das células sanguíneas. A quimioterapia afecta a medula óssea, resultando numa diminuição temporária do número de células do sangue.

Mieloblastos

Células precursoras dos granulócitos.

Mieloblativo

Nome dado aos tratamentos capazes de eliminar todas as células estaminais na medula óssea.

Mielograma

Biopsia aspirativa da medula óssea que permite a recolha de sangue medular, onde estão presentes as células progenitoras das células sanguíneas. Nos adultos é feita no esterno ou na crista ilíaca.

Mielosupressão

Diminuição da medula óssea de que resulta uma baixa do número das plaquetas, dos glóbulos brancos e dos glóbulos vermelhos.

Mobilização

Método que leva ao aumento do número de células progenitoras hematopoiéticas em circulação. Pode ser feito com utilização de factores de crescimento ou pela combinação destes com quimioterapia.

Monócitos

Os monócitos são um tipo de fagócitos, células que "engolem" as células velhas e microorganismos e destroem-nos no seu interior.

Morbilidade

Estado de doença.

Mucosite

Inflamação das membranas mucosas que comunicam com o exterior (boca, recto, períneo, nariz).

Mutação genética

Alteração no funcionamento ou desenvolvimento das células, causada por defeitos genéticos herdados ou por exposição ambiental. Pode levar ao aparecimento de doenças malignas.

Mutagéneo

Agente físico, químico ou biológico capaz de aumentar a taxa de mutação, devido às alterações que provoca a nível do DNA.

N

Nadir

Altura em que os glóbulos brancos apresentam o seu valor mais baixo, após a administração da quimioterapia. Embora seja variável com o tipo de terapêutica e os valores iniciais, mais frequentemente dá-se 1 a 2 semanas depois desta. Do árabe natir,
ponto diametralmente oposto a outro, neste caso o mais baixo em oposição ao mais alto.

Necrosante

Diz-se de alguns citostáticos que ao saírem da veia podem causar necrose dos tecidos envolventes.

Necrose

Alterações devidas à morte da célula ou de um tecido. Do grego nékrosis, mortificação; morte.

Neoplasia

Proliferação de tecido novo, de origem patológica - um tumor é constituído por tecido neoplásico formado por células mais ou menos indiferenciadas. Existem neoplasias benignas e neoplasias malignas.

Neutropenia

Número anormalmente baixo de neutrófilos no sangue.

Neutrófilos

Os neutrófilos representam o principal sistema de defesa celular do corpo contra as bactérias e os fungos. Os neutrófilos amadurecem na medula óssea e entram depois na corrente sanguínea.
Dado que os neutrófilos geralmente representam mais de 70 % dos glóbulos brancos, uma diminuição na quantidade de glóbulos brancos significa habitualmente que existe uma diminuição no número total de neutrófilos. Quando a quantidade de neutrófilos cai abaixo de 1000 por microlitro, aumenta em certa medida o risco de infecção e, quando cai abaixo dos 500 por microlitro, o risco de infecção aumenta consideravelmente.

O

Oncogenes

Genes presentes nas células normais, que após exposição a factores que provocam cancro, se alteram e podem levar à doença maligna.

Oncologista

Médico especializado no diagnóstico e tratamento de doenças malignas.

P

Pancitopenia

Baixa das três séries no sangue periférico, isto é, presença de anemia e leucopenia e trombocitopenia.

Per os

Por via oral.

Petéquias

Hemorragias puntiformes na pele que surgem quando as plaquetas estão baixas. São mais frequentes nos membros inferiores e assemelham-se a picadas de pulgas. Do latim peticula.

Placebo

Preparação farmacêutica que só tem princípios inactivos.Utiliza-se em estudos clínicos para determinar a eficácia de um fármaco e também para obter um efeito terapêutico por sugestão.

Pneumonia

Infecção dos pulmões. Mais frequentemente é provocada por bactérias, mas pode também dever-se a infecção fúngica ou outro agentes oportunistas. Pode ocorrer com mais frequência durante a quimioterapia.

Pneumonia intersticial

Infecção pulmonar que envolve o espaço inter-alveolar. É muitas vezes causada por vírus (ex: CMV), mas pode também ser devida a drogas ou a irradiação.

Poliquimioterapia

Tratamento no qual dois ou mais citostáticos são usados, para permitir obter resultados mais eficazes.

Profilaxia

Prevenção.

Prognóstico

Previsão da evolução da doença e da esperança de vida.

Progressão de doença

Agravamento da doença tumoral.

Protocolo

Plano estabelecido para um tratamento. Do francês protocole, que na Idade Média significava minuta de contrato.

Punção Lombar

A punção lombar consiste na aspiração do líquido para exame mas também é usada para injecção de medicamento com a finalidade de impedir o aparecimento de células leucémicas no sistema nervoso ou para destruí-las quando existir doença nesse local. É feita na maioria das vezes com anestesia local e poucas vezes com anestesia geral.

Q

Quelante do Ferro

Substância que se agarra ao ferro, facilitando a sua eliminação. Quelação, vem da palavra grega chela que significa garra. As substâncias quelantes agarram certas classes de minerais e metais, retirando-os do lugar que ocupam.

Quimioterapia

Uso de drogas específicas para combater o cancro e outras doenças.

R

Radioterapia

A radioterapia externa é uma modalidade terapêutica que se baseia na utilização de radiação ionizante proveniente de aceleradores lineares. Este método de tratamento do cancro envolve a utilização de feixe electrões ou raios-X de energias entre 100 keV e 50 MeV. Os electrões são principalmente utilizados no tratamento de lesões superficiais (patologias cutâneas) ou de pouca profundidade, enquanto os raios-X são utilizados no tratamento de tumores malignos profundos, situados vários centímetros abaixo da pele.

Recaída ou recorrência

Reaparecimento da doença depois de um período de remissão. Pode ser local ou à distância.

Redução de riscos

Técnicas usadas para diminuir a probabilidade de ter um determinado tipo de cancro. Por exemplo: uso de dietas com baixa gordura no cancro da mama.

Refractário

O mesmo que resistente. Quer dizer que não responde ao tratamento.

Regimes de condicionamento

Tipos de tratamento com quimioterapia, radioterapia ou ambos, usados antes dos transplantes de medula ou de células progenitoras  hematopoiéticas.

Rejeição do enxerto

A situação em que o recipiente rejeita o tecido implantado – medula ou sangue periférico.

Relação risco/benefício

Relação entre os riscos e a melhoria induzida por um determinado medicamento ou atitude terapêutica.

Remissão

Desaparecimento completo ou parcial dos sintomas e sinais da doença. Também se aplica ao período em que esta fase ocorre. Pode ser completa ou parcial. A remissão completa pode ser hematológica (ausência de células malignas no sangue  periférico e/ou medula óssea), citogenética (normalização do cariótipo) ou molecular (normalização dos estudos moleculares).

Revisão prioritária (De um medicamento)

Corresponde a uma mais rápida aprovação  e um novo medicamento, que se encontra em análise. É concedida sempre que os estudos demonstram que o produto em causa representa uma significativa melhoria, quando comparado com os que existem no mercado. Aplica-se a produtos para o diagnóstico, para prevenção da doença ou para tratamento. Nos Estados Unidos, a uma nova droga a que seja concedida revisão prioritária, o período de aprovação passa de dez para seis meses.

S

Sepsis

Presença de microrganismos na corrente sanguínea, que devem ser  identificados por hemoculturas e que se acompanhada de sintomas clínicos (febre, hipotensão, etc.).

Sintoma

Sinal de doença.

Sistema de Classificação FAB

Critério usado na classificação da Leucemias Agudas e das Síndromes Mielodisplásicas, introduzido em 1976, por um grupo de cientistas Franceses, Americanos e Ingleses (British).

Síndroma ou síndrome

Conjunto de sinais e sintomas, ou alterações laboratoriais, que ocorrem em associação uns com os outros.

Sobrevivência Global (Overall survival - OS)

Tempo de sobrevida de todos os doentes que estão vivos num determinado grupo em estudo, independentemente de a doença ter recorrido ou não.

Sobrevivência livre de doença (Disease Free Suvival - DFS)

Tempo de sobrevida dos doentes que estão livres de recorrência do tumor ou que não faleceram devido a qualquer outra causa.

Supressão da medula óssea

Diminuição da produção de células do sangue.

T

TAC

Tomografia axial computorizada. Meio de diagnóstico através de raio X assistido por computador permitindo uma visualização mais detalhada dos órgãos internos do corpo.

Taxa de mortalidade

Percentagem de casos mortais.

Terapêutica adjuvante

Terapêutica adicional ou de suporte a uma outra terapia. Normalmente a radioterapia é dada como adjuvante ao processo de quimioterapia. A quimioterapia também pode ser considerada terapia adjuvante posteriormente a uma cirurgia, de forma a reduzir os riscos de recorrência.

Terapêutica dirigida ao cancro (Target cancer therapy)

Tipo de medicamentos para combater o cancro que atacam as células malignas sem afectar as células normais. É o caso dos inibidores de transdução de sinal (ex: Imatinib), mas também de outras terapêuticas ainda em estudo, como os inibidores da farnesil transferase, os inibidores da angiogénese, os inibidores das proteases para evitarem metástases e os inibidores da telomerase que se destinam a bloquear as enzimas que mantém as células cancerosas vivas por tempo indefinido.

Terapêutica genética

Tratamento que altera os genes. Nos estudos de terapêutica genética pretende-se melhorar a capacidade natural do organismo para combater a doença ou tornar o tumor mais sensível a outras terapêuticas.

Terapêutica génica

Inserção de um gene normal num organismo, de modo a corrigir um defeito genético ou alterações de genes do organismo.

Terapêutica standard

Tratamento ou intervenção de uso corrente e que é considerado de eficácia provada, com bases em estudos anteriores. É o que se mostrou mais eficaz num determinado momento e portanto o mais utilizado. Serve de base de comparação para a introdução de outras abordagens terapêuticas, que se tornarão standard se forem mais eficazes e tiverem menos efeitos secundários.

Terapia

Tratamento de uma doença, processo curativo.

Timo

Glândula situada debaixo do esterno. Pertence ao sistema linfático e ao sistema imunitário do corpo.

Tolerância

Processo de aceitação de tecido estranho pelo corpo do recipiente.

Transplante alogénico

Infusão de medula óssea de um indivíduo (dador) para outro.

Transplante autólogo

Infusão da própria medula do doente que foi anteriormente removida e armazenada.

Transplante de medula óssea

Infusão de medula óssea num doente que foi tratado com quimioterapia de alta dose ou radioterapia.

Transplante singénico

Quando o dador é um irmão gémeo idêntico.

Trombocitopenia

Diminuição do número de plaquetas.

Trombocitose ou trombocitemia

Aumento do número de plaquetas.

Tumor

Proliferação de células crescendo descontroladamente que pode ocorrer em qualquer parte do corpo.

V

Vesicante

Tipo de medicamento que causa lesão tecidular ao sair da veia, isto é, quando se extravasa.

Vias de administração

Formas de administrar os fármacos de acordo com as características destes e as necessidades do doente. Pode ser feito por via oral (per os), transmucosa, sublingual, nasal, transdérmica, subcutânea, intramuscular, intravenosa, rectal, epidural e subaracnóidea.

Ajude-nos a divulgar Bookmark and Share